Quem dança é mais feliz!

Quem dança é mais feliz!

Ao chegar em casa hoje do trabalho fui convidada a dançar com meus filhos. Sim, dançar. Eles tinham descoberto o vídeo Dancing Pandas no youtube (via kidzui,) e adoraram. Imitavam passos e ficaram contentes porque os pandas são em sua maioria “meninos”.

bigstock-happy-children-dancing-on-a-wh-46523527

Dançamos juntos na sala, como aliás costumamos fazer nos dias de folga e foi uma diversão. Há algumas semanas li a notícia de um curso de dança para meninos que me fez pensar sobre o quanto deixamos de lado esta expressão artística na educação deles. Mesmo as meninas, apesar das tradicionais aulas de balé e as brincadeiras de dança regionais, não são convidadas a experimentar a dança como uma terapia ou uma alternativa saudável para ganhar ritmo, aprender trabalho em equipe ou fazer condicionamento físico.

Se na época pensei em Balu e Mogli cantando Necessário (somente o necessário, o extraordinário é demais!) e dançando alegremente, sem deixar de citar os garotos do High School Musical, em seguida procurei pesquisar sobre esta alternativa na educação. Num dos estudos que encontrei na internet, os pesquisadores Daniele e Sérgio Carbonera tratavam da dança como uma manifestação que aparece muito cedo na criança, logo que ela domina a marcha.

1106_caloriasdosexercicios_f_062

É triste concordar com eles quando afirmam que a criança também “a perde cedo, seja por vergonha, repressão ou até mesmo por falta de estímulos de profissionais que muitas vezes deixam de trabalhar esse conteúdo por pensarem que não sabem ou por acharem difíceis de serem ensinados”. Alegrou-me sobremaneira perceber que há um interesse em estimular os os profissionais de educação física para que busquem trabalhar também a dança nas escolas, não com a intenção de formar bailarinos, mas para libertar os movimentos e trabalhar as expressões.

Música e condicionamento físico podem ser trabalhados para que a criança possa expandir sua criatividade por meio de movimentos. Segundo especialistas, a expressão com dança e música dá à criança a necessária “sensação” de alegria e a liberdade de movimentos, assim como a oportunidade de expressão sentimentos e demonstrar seu humor através deles.

Decoração

Quando é preciso decorar uma festa de aniversário, sempre tenho infinitas dúvidas sobre como deixar algo legal, barato e simples de se fazer.

É preciso pensar primeiro no ambiente do local. Se você já tem um tema pré determinado, é preciso pensar com atenção no local e o que poderá ser colocado nesse espaço. Mesa para os comes e bebes, local para as pessoas sentarem, se for adequado para o espaço, uma pista de dança ou itens de diversão como as máquinas de dança, fliperama, sinuca, pebolim e tantos outros tipos de jogos.

Após resolver essa questão primordial, é preciso pensar nas músicas que irão tocar, se os vizinhos não irão incomodar e o que melhor se adéqua ao que está sendo comemorado.

size_810_16_9_Fliperamas-20111111122620

É preciso pensar na comida típica e que não saia caro. Muitas pessoas estabelecem um valor em uma festa para ajudar o organizador, como algo em torno de 5$ ou 10$ para os comes e bebes.

Comprar a quantidade certa do que será consumido é algo que preocupa muito, pois se for pouco, será preciso sair no meio da festa e ir atrás dos suprimentos para se atender o que está fazendo falta. Se for de mais, sobrará muita comida ou bebida, a solução para isso, é dividir entre os convidados da festa para não dar prejuízo ou estragar o que foi comprado.

festa-em-casa

Outra coisa que assola a cabeça de quem está organizando um evento, é as lembrancinhas. Como fazer, o que fazer, quanto custa, ideias, grande quantidade e o que mais combina com a festa que está sendo comemorada. é preciso pensar com atenção para não ser algo que tome muito tempo ou muito dinheiro, é apenas algo complementar para dar felicidade para os convidados após o término da festa.

Ufa, tem alguma dica para me ensinar? Comente a publicação. 🙂

Artesanato – As melhores dicas para você começar agora mesmo!

Queria contar para vocês de onde surgiu o meu interesse pelo artesanato e por toda essa gama de coisas hand made que tanto me fazem feliz.

Como descrito em meu perfil, sou uma estudante áreas diversas, entre elas, o artesanato está entre uma das minhas preferidas. Já fiz diversos cursos online e físicos sobre como aproveitar MDF, fazer biscuit, montar artesanato com garrafa pet e tantos outros materiais que geralmente vão para o lixo, mas poderiam ser reaproveitados.

Eu tenho um atelier no fundo da minha casa, onde após chegar do trabalho e de ter lidado com diversos animais com os mais variados problemas (para quem não sabe, sou veterinária), gosto de trocar o jaleco por roupas confortáveis e deixar a minha imaginação fluir.

adasd

Tenho um grande acervo de itens resgatados de lixos e de ferro velhos, uma das minhas atividades preferidas é frequentar lixões no final de semana, garimpando sempre algo velho que após um trabalho profundo e muita criatividade, pode voltar a enfeitar um local como o principal adorno.

Ao adentrar no meu atelier, me obrigo a focar em algum desses itens resgatados e procurar dar uma nova vida útil a ele. Por exemplo, ganhei um carretel de corda que iria para o lixo, juntei em uma construção que está acontecendo na rua de casa.

artesanato-acre

Após muito pensar e quebrar a cabeça sobre o que fazer com aquele pedaço de madeira enorme, juntei alguns pequenos ladrilhos, muita cola e muito cimento, acabei fazendo uma mesa com enfeite de mosaicos em cima. Após lixar e enfeitá-la, arranjei uma nova função para algo que não iria ser reaproveitado.

Por meio do artesanato como algo relaxante e que tem dados mais vida aos meus dias, tenho transformado uma rotina em algo gostoso e que é muito aguardado por mim no final do dia.

E vocês, o que andam fazendo?